quarta-feira, 26 de janeiro de 2005

hibernando...

Bom pessoal, o tempo está um pouco escasso por aqui. Por isso, o blog entrará em hibernação até meados da semana que vem. Apesar de que de tempos em tempos ele sempre hiberna.. hehehe.
Aliás, pra melhor otimizar meu desorganizado tempo livre, passarei a atualizar este espaço aos finais-de-semana. Por isso, não estranhem se o dito "sítio virtual" ficar às moscas durante os chamados "dias de labuta" e só respirar no sabadão e no domingão. No mais, continuo regularmente no fotolog. Hasta la vista!..

quinta-feira, 20 de janeiro de 2005

Alexandre, o grande... nem tanto assim..



(cena do filme "Alexandre")
Fui ver ontem essa película no cinema, nem preciso explicar o porquê.. hehehe.. Bom, o filme não é nada fora do normal, mas também não é ruim. Vale, sem dúvida, pelas excelentes (e realistas) remontagens das batalhas travadas por Alexandre. Aí fica um destaque especial para as cenas da batalha de Gaugamela (qualquer incorreção gramatical me avisem). Pra quem gosta de cinema.. cenas "felomenais".. hehehe.. só elas já valem o ingresso.
A parte ruim do filme é o conservadorismo.. a "média" com o público "bushiniano" norte-americano. Quem observar com um pouco de senso crítico as cenas da citada batalha vai notar um E.U.A. (representado por Alexandre -- reparem na simbologia da águia e no discurso -- basicamente os norte-americanos "bancando" os herdeiros messiânicos da civilização helênica) versus o "mundo árabe arcaico" (representado por Dario -- nunca vi um Dario tão parecido com o Bin Laden.. hehehe..). Mas isso aí faz parte do jogo, os caras têm que vender o filme lá encima.. hehe.
Outra coisa que enche um pouco é a versão "He-Man" do Alexandre (outra firula pra agradar o público norte-americano). Grego com cabelinho loiro tingido não cola, por favor.. hehehe. Aliás, pra mim esse papel tinha que ter sido do Antonio Banderas (pelo menos ele tem cara de grego). Com certeza, Alexandre Magno foi muito mais parecido com essa pintura feita em homenagem a ele:






(pintura de Alexandre Magno - não sei de que é, achei na net)
Tirando esses "detalhes", vale a pena ficar 3 horas com o traseiro sentado no cinema pra ver as "traquinagens" do rapaz. Aliás, cujo adjetivo de magnitude pode ser severamente questionado. Contudo, é inquestionável que é uma figura sui generis e extremamente humana (no sentido mais lato do termo). Se 50% do que foi contado ali tem um pé na realidade, foi uma vivência que faz jus à lapide "vivendo intensamente, morrendo com estilo".. hehe..
Sem falar que foi o primeiro megalomaníaco "de peso" da história da humanidade. Com certeza foi objeto de estudo e admiração de "figurinhas" como Hitler, Stálin, Bush... tudo gente boa.. hehehehe.. mas por outro lado, o legado deixado por ele foi fundamental pra que hoje vivessemos num mundo tão interligado e globalizado. Ele podia ser maluco, mas era um maluco com várias idéias interessantes na cabeça (sendo que a maioria delas não deram certo.. hehe.. muito provavelmente por culpa dele mesmo).
Em suma, não é qualquer um que tem um xará desses.. hehehehe. Pro bem ou pro mal..

ainda bem que eu sou terráqueo!

Estava lendo no final-de-semana na FSP sobre aquela sonda euro-norte-americana que pousou em uma das luas de Saturno, chamada Titã. Segundo informações da nave (a sonda Huygens), que mandou algumas fotos da chegada no local, o planeta é composto (no solo) de pequenos pedaços de rocha de gelo em meio a um imenso deserto arenoso, muito parecido com o solo de Marte (pena que não tenha nenhuma foto para colocar aqui).
Até aí tudo bem, nada demais. Mas segundo análises que os cientistas fizeram de algumas fotos em sobrevôo, é bem provável que exista um mar de metano naquela pequena lua (eles identificaram formações que parecem ilhas em contraste com uma área escura, que eles acreditam ser o tal mar).
Bom, você pode dizer.. "e aí? grande coisa.." ..mas faça uma reflexão criativa como um pobre terráqueo e ponha-se passeando pelas "praias titânicas", num ambiente só com poeira, gelo, uma atmosfera carregada de ferro (parece ser, mas posso estar falando besteira), com rajadas de vento contínuas e super-velozes, com uma radiação solar "matadora" (literalmente)... e observando um belo e fluidoso mar de merda! (quimicamente falando)... hehehehehe...
Pode ter sido perda de tempo, mas essa postagem toda foi só pra dizer que eu adoro ser terráqueo!!!... hehehehehehehe..

Uma luz!!..

Finalmente, parece que estou conseguindo enxergar um rumo mais específico pra minha carreira profissional.. hehe.. Fixando um ponto de meta onde pretenda chegar, algo que não tinha até agora. Estava atirando para todos os lados, e posso dizer que ainda estou também, mas agora com um pouco mais de direção e com um pouco menos de angústia. Espero que seja o rumo certo.. hehehe.

sábado, 15 de janeiro de 2005

Paul McCartney no "cavern club"



(Macca em ação no cavern club - Liverpool - 1999)

Comprei esse DVD no final-de-semana passado. Desde lá, não paro de assistir o dito. De preferência, no último volume.. hehe. Arrisco dizer, um dos melhores shows de rock que eu já tive a oportunidade de apreciar. Por causa desse badulaque digital eu saí totalmente fora do meu cronograma de estudos.. hehehe. Mas é por uma boa causa.. não me arrependi não.. hehe..

Basicamente, canções "puro-sangue" de rock and roll dos anos 50 tocadas em performance enérgica (como a estética rock necessita). Na minha opinião, o que tá nesse DVD é a essência do que poderíamos chamar de rock and roll. Nem um milímetro a mais, nem um milímetro a menos.

Essas faixas me tiram do meu estado de normalidade.. hehe.. e são as melhores :

Honey Hush, Blue Jean Bop, Fabulous, Twenty Flight Rock, Shake a Hand, All Shook Up, I Saw Her Standing There, Party...

ou seja, a maioria delas... hehe... (são 13 no total). Pra finalizar, a questão é a seguinte: se você gosta de rock, sabe o que é o espírito do rock.. pelo amor dos meus filhinhos!.. ao menos alugue esse DVD... hehehehehe...

"hoje é dia de Maria"

Assisti acho que uns dois dias dessa série. Não peguei desde o começo, mas pelo que vi, é disparado a melhor série de TV desse ano, e do ano passado também. Original, bem produzida, excelentes atores. Trabalho impecável.
É interessante como a Globo é paradoxal... estão, aos mesmo tempo no ar, o supra-sumo da TV de qualidade (essa série) e o lixo-mor da programação televisiva (alguém aí disse Big Brother? hehe).. impressionante, a mesma emissora de televisão produz o melhor e o pior programa de toda a grade televisiva brasileira. Como diz a nossa amiga Manu, "felomenal!".. hehehe.

terça-feira, 11 de janeiro de 2005

back... with apologizes...

Estou de volta... aqui, eu nem comuniquei que ia.. mas em algum lugar eu comuniquei.. hehe.
O passeio foi bom. Revi os parentes, alguns amigos (grande Henrique!.. o garanhão de Capão Bonito.. hehe), apreciei belas paisagens, ouvi bons papos. Enfim, me distraí.. entrei um pouco em "off" da bagunça campineira. Isso, sem dúvida, é o melhor de tudo.
Queria aproveitar pra pedir desculpas pro pessoal que tenta comentar aqui e tem dificuldade. Infelizmente esse servidor é de uma frescura ímpar. Pra quem gostaria de comentar com uma certa frequência, vale a pena criar um cadastro no blogger. É só preencher alguns dados, e não precisa montar nenhum blog. Cria-se apenas um tipo de perfil, com usuário e senha, não havendo mais necessidade de comentar como anônimo. Qualquer dúvida, é só entrar em contato comigo, mas é simples.
Agora eu vou jantar.. hehehe..

quinta-feira, 6 de janeiro de 2005

"Os Incríveis"





Assisti ontem no cinema, com um certo atraso. Muito bom!... fui achando que ia ser um filme mediano mas me surpreendi. Os ótimos efeitos especiais não anulam o roteiro: as virtudes (e os "podres") do relacionamento familiar expostos em forma de fábula.
E o mais interessante, convidei a família toda pra assistir comigo. Deu certo (sempre é um evento ímpar reunir a família num único propósito, ainda mais ir no cinema.. hehe), rimos muito!... Afinal, a identificação é imediata.. hehehe.. e não há coisa mais gostosa do que rir de si mesmo. Pra quem não viu ainda é obrigatório.

terça-feira, 4 de janeiro de 2005

2005, e o tempo...

Primeira postagem do ano. Pior que não tenho nada de interessante pra escrever.. hehe. Estou eu aqui sentado na frente do computador gastando o meu tempo, escrevendo a esmo sem um objetivo bem definido. Talvez, com o objetivo certeiro de querer ler lido, óbvio.. hehe.
Eis um tema interessante, o tempo... Esse começo de ano foi bem farto pra mim na reflexão sobre o dito. Não é à toa que ando escutando muito "Time", do PF. Cada vez mais aqueles versos começam a fazer um sentido profundo pra mim. Cada vez mais aquele solo de guitarra angustiante do Gilmour corta "seco" a minha mente.
É notável como até os 18 anos (em média) o tempo passa numa vagarosidade irritante. Parece que o controle remoto da nossa vivência está em constante "low motion". Quando esse marco é atingido, as expectativas se invertem radicalmente no sentido oposto, e tudo parece andar no "foward". E você ali, lutando pra não ser engolido pela própria ansiedade. Bom, pelo menos é o que eu sinto. Nessas horas, o rock and roll me salva... hehehe..
Estou chegando numa fase em que consigo olhar pra trás e ver que uma década se esvaiu, e dando aquela sensação de que assistimos tudo inertes, como bem declamam suavemente Mr. R. Wright e Mr. D. Gilmour na citada canção. Aliás, a grande maioria dos leitores do meu blog tb está nessa fase, e creio que sentindo as mesmas aflições.. hehehe..
Pois bem, acredito que estou aqui escrevendo a uns 12, 13 minutos (com ligeiras paradas reflexivas), e o tempo se foi... Olho no relógio e já penso no que tenho que fazer daqui algumas horas (cortar o cabelo, recarregar meu celular, terminar meu resumo de direito previdenciário..). Talvez a consciência que temos de que somos extremamente frágeis e mortais (coisa que aparentemente apenas nós primatas "sapiens" temos, pelo menos em um nível elaborado) nos coloque numa eterna angústia existencial.
Plagiando o último verso da canção: o tempo se foi e a postagem acabou... pensei que tivesse algo mais a dizer.
Mas não tenho... hehehehe..

Ticking away the moments that make up a dull day./ Como tique-taques, os momentos que formam um dia monótono se vão.

You fritter and waste the hours in an off hand way, / kicking around on a piece of ground in your hometown, / waiting for someone or something to show you the way. // Você desperdiça e perde as horas de uma maneira descontrolada, perambulando por um pedaço de terra de sua cidade natal, esperando alguém ou algo que venha mostrar-lhe o caminho.

Tired of lying in the sunshine, staying home to watch the rain, / you are young and life is long and there is time to kill today. / Cansado de deitar-se sob o sol e de ficar em casa observando a chuva, você é jovem e a vida é longa, e hoje há tempo para desperdiçar.

And then one day you find ten years have got behind you. / No one told you when to run, you missed the starting gun. // E então um dia você descobre que dez anos ficaram para trás. Ninguém te disse quando correr, você perdeu o tiro de partida .

And you run and you run to catch up with the sun. But it's sinking / and racing around to come up behind you again. / E você corre e corre para alcançar o sol, mas ele está se pondo. E girando em volta para se levantar atrás de você novamente.

The sun is the same in the relative way, but you're older / and shorter of breath and one day closer to death. // O sol é o mesmo mas você está mais velho, com menos fôlego e um dia mais perto da morte.

Every year is getting shorter, never seem to find the time. / Cada ano está ficando mais curto, nunca parece se encontrar o tempo.

Plans that either come to naught or half a page of scribbled lines, / hanging on in quiet desperation is the English way. / Planos que deram em nada ou em meia página de linhas rabiscadas, permanecendo suspenso em um silencioso desespero é o jeito inglês.

The time is gone the song is over, thought I'd something more to say. // O tempo se foi, a canção terminou, pensei que eu tivesse algo mais a dizer.

("Time" - R.Waters, D.Gilmour, R.Wright, N.Mason - 4ª faixa do álbum "The Dark Side of the Moon" - Pink Floyd)