sexta-feira, 25 de agosto de 2006

uni-duni-tê..

Bom, as eleições estão aí. Em pouco mais de um mês iremos mais uma vez escolher (ainda bem) os nossos queridos representantes políticos.
Muita gente alardeia por aí que estamos vivendo um "momento de crise sem precedentes", que a política nacional é só lama, corrupção, sacanagem.. e blá, blá, blá..
Eu discordo. Na verdade acredito que estamos vivendo um momento de profundo amadurecimento político. Lógico que não está tudo lindo e maravilhoso, muito pelo contrário. Mas situação semelhante a que estamos passando, se fosse vivenciada a 30, 40 anos atrás, com certeza já teria descambado pra ruptura política, tentativa de golpe, essas coisas típicas de países com pouca cultura política democrática.
Contudo, acredito que toda essa "maturidade" está causando ironicamente uma homogeneização das opções de escolhas eleitorais. Talvez pelo fato (também irônico) de que os dois principais partidos políticos nacionais tenham uma origem programática e ideológica comum. Embora não pareça, PT e PSDB possuem mais coisas em comum do que a gente imagina. E consequentemente isso leva àquela sensação de que, tirando aqueles "outsiders" estilo Heloísa Helena, é tudo "farinha do mesmo saco".
Essa "farinha" é de uma safra interessante que surgiu no começo dos anos 80 e juntava um porrilhão de grupos políticos os mais variados que tinham (e tem) em comum a superação de toda aquela era autoritária que se sedimentou com o regime militar.
Talvez essa "farinha" já deu o que tinha que dar e seja necessário o surgimento de novos grupos políticos no jogo de poder. O que não deixa de ser triste, porque provavelmente perdeu-se uma oportunidade histórica. Se o PT ao invés de se "sectarizar" na sua trajetória de desenvolvimento, e o PSDB ao invés de se juntar a grupos conservadores como o PFL, tivessem ambos formado uma parceria política e caminhado juntos, talvez estivessemos vivendo hoje num país muito mais desenvolvido social e politicamente.
Enfim, há males que vem para o bem, espero. E eu quero "farinha" nova!..

(foto: Luiz Carlos Murauskas)

3 comentários:

Cristina disse...

Concordo com essa história da farinha...
Acho que a gente fica meio perdido mesmo também por não ter mais aquela questão de "fulano é de esquerda", "fulano é de direita". Não há mais radicalismos. Mas não que isso seja ruim. Enfim, estou enrolando e não sei o que comentar mais uahauah :p
beijo!

Cristina disse...

Olha só, tá aparecendo minha fotinha... :pp

Kelly disse...

Eu sei que sendo ou não farinha do mesmo saco nenhuma dessas "farinhas" me interessa! Acho que essa está sendo pra mim a pior das eleições da minha vida de eleitora hehehe
Não tenho nenhum, absolutamente, nenhum candidato em mente, nem pra presidente, nem pra senador, nem pra deputado, nem pra governador, nem pra nada! Todos os candidatos a presidência e a governador (aqui do meu estado) são a favor da transposição do São Francisco e isso é um ponto decisivo para minha escolha. Sou COMPLETAMENTE contrária a transposição, portanto, votar em qualquer um que seja a favor é ir de encontro a minha opinião. Votar em qualquer um deles é o mesmo que votar em pessas burras e inconsequentes, eu penso no amanhã portanto não consigo votar em pessoas que não estão nem aí com as consequências que seus atos e decisões podem causar a humanidade com o tempo...
Sem mais no momento.
=***