sábado, 30 de dezembro de 2006

the end (reprise)

Meu ano em SP acabou de uma forma inusitada. Minha última noite aqui, e tudo se embaralhou. Minha cabeça pulsava e latejava de dor, mas espiritualmente ela queria outra coisa.
Eu queria continuar pra finalizar algo que precisava ser finalizado (?). Foi como se a citada energia que não sentia a um bom tempo, a qual comentei no texto anterior, se chocasse com as antigas, e brigassem entre si para saber quem iria dominar a joça Alexandre em 2007.
O estresse do trabalho, o cansaço, aquelas forças que vão-e-vem apareceram nessa noite como que pra "estragar a festa" e sentenciar metaforicamente que não poderia haver renovação. Era uma simples dor-de-cabeça (que na verdade não era tão simples assim), mas que veio afim de por tudo a perder. A minha noite (o meu 2007 e as minhas novas energias) não poderiam triunfar.
Enfim, uma briga cruel, onde o "bem venceu o mal", e onde eu me superei (será que consegui?) para tentar não transparecer ao máximo a revolução química no meu cérebro (estou falando de um triste e simples projeto de enxaqueca). E a noite terminou bem, muito bem, apesar de tudo. Em que pese eu não ter bebido a minha Guinness, o líquido predestinado a anunciar as boas novas, eu acho que elas estão vindo. E eu, pronto a recebê-las.

4 comentários:

Bruna_ disse...

hum.. depois a esotérica sou eu.. rs

eu acho que era só um dor de cabeça adicionada a uma pessoa teimosa que não toma remédios.

E que suas boas energias dominem a "joça" Alexandre em 2007.

Besitos com confete. rs

Bruna_ disse...

Vamos trocar "joça Alexandre" por "coca-tio Alexandre"? Bem mais bacana.. rs

Carol disse...

Enxaqueca?
Venha aqui que eu faço um cafuné enquanto ela passa...

Cristina disse...

A minha enxaqueca é psicossomática (?). E dar um jeito nela é uma das minhas primeiras providências pro ano novo. What about you?
;] beijo!