segunda-feira, 19 de fevereiro de 2007

porque eu não gosto do carnaval?

Hoje eu estava pensando sobre isso, as razões. Não que eu não goste do som, do samba, e em especial dos desfiles carnavalescos. Acho um dos nossos grandes triunfos culturais, algo que só nós temos competência pra fazer. Mas existe algo ali que me incomoda.
Eu ligo a TV, e começo a zapear naqueles programas que fazem a "cobertura" dos bailes carnavalescos em clubes. O entrevistador chega, a moça sorri, ele pede pra dar uma "voltinha", e ela gira, dá uma sambadinha, e rebola: "isso aqui está uma delícia!.." (era algo assim..).
Não sei, essa época do ano, pra qualquer parte que você olhe, no noticiário, na TV, e também nas ruas, há um clima onipresente de uma "liberação" hipócrita, de uma libertinagem paradoxalmente moralista. Aquela coisa da culpa católica. De botar pra fora o "tchan" que você reprime com muito cuidado e esmero o ano todo.
Existe toda uma tradição da antigüidade, das sociedades mais básicas, de celebração da vida, fartura, que está relacionada com esse período do ano (o calendário lunar, algo assim). Tradição essa que foi apropriada pelo cristianismo e "moralizada", fazendo com que as festas relacionadas com o que chamamos de carnaval deixassem de ser uma celebração existencialista e começassem a virar válvula de escape da nossa nova "tábua" de super valores morais purificadores.
Enfim, a data virou, nos tempos atuais, um tipo de "desculpa" pra que o sujeito possa, pelo menos uma vez ao ano, ser um animal primata em sua totalidade, e esquecer o quanto ele é massacrado, pressionado, reprimido nos outros 360 dias. Algo que ele devia trazer no bojo da sua personalidade todos os dias do ano, a plenitudade dos desejos, a busca pelo equilíbrio da própria existência vira, em alguns dias, uma busca desenfreada pra "saciar" e debelar o "déficit sócio-sexual" acumulado.
Aí você se pergunta: melhor isso do que nada, não? Eu diria que, de certa forma, sim. Mas também diria que o melhor seria se pudessemos ser, no íntimo dos nossos sentimentos, um pouco "carnavalescos" cada dia do ano. E deixassemos de lado aquele véu hipócrita tão bem estampado no sorriso amarelo do apresentador de TV diante do requebrado desconcertantemente estéril da bela morena.
E bota bela nisso (é lógico que eu não mudei de canal).

4 comentários:

Dani Girl disse...

O carnaval é uma desculpa...
E como toda desculpa..
sempre exagerada.

Cristina disse...

Concordo contigo qdo você fala da hipocrisia sob a qual vivemos o ano todo. E seria, óbvio, muito mais saudável se fôssemos autênticos e sinceros e alegres todos os dias. Mas eu acho que o carnaval libera nas pessoas o que elas têm de pior... não todas, mas a maioria.

p.s.- "botar pra fora o tchan" foi boa rsrs

;]

Carol disse...

Eu ODEIO Carnaval e sinceramente não consigo ver NENHUM motivo para as pessoas se "disfarçarem" na avenida quando na verdade todos os dias elas usam máscaras (só que a maioria com menos penas!).

Menina Enciclopédia disse...

sabe o q eu acho mais hipócrita? a fulana sair de top less no Carnaval e não poder na praia... na Europa pode pq aqui não? acho um falso moralismo absurdo!