segunda-feira, 19 de março de 2007

Coldplay em sampa (um relato)

(foto por Cristina Traskine)

Eu já escrevi aqui no blog sobre a minha odisséia pra comprar o ingresso pra apresentação do Coldplay em terras tupiniquins. Mas ainda não havia escrito sobre o resultado de todo trabalho, enfim, o show propriamente dito. Lá vai então um breve relato que fiz aos amigos de um grupo de discussão:

Algumas impressões rápidas (e um pouco atrasadas) do show:

- as "coldgirls" são comportadas, eu pelo menos não vi nenhuma calcinha voando pro palco;
- o ambiente estava legal, mas bem elitizado, cheio de "mauricinhos" e "patricinhas" andando pra lá e pra cá, aquele típico povo "arroz de festa" que mal conhece a banda e vai só porque é algo relativamente "in".. acho que é culpa do preço do ingresso; o bom é que isso deixou o ambiente pra lá de tranqüilo até a hora do show, parecia que a gente estava esperando o começo de uma ópera ou a orquestra filarmônica de Berlim;
- as cadeiras funcionaram até pouco antes do show, porque depois que começou era de se esperar que ninguém iria ficar sentado; porém, o povo não aglomerou envolta do palco, como eu fiquei especulando antes do show, todo mundo no seu lugar mas em pé.. como o Via Funchal é cheio das firulas e desníveis conseguimos uma visão de palco que há muitos séculos eu não tinha num show de rock;
- o show em si, pra quem é fã, foi excelente.. é o mesmo script do show do DVD "Live 2003" que eles lançaram, adicionando as músicas do último CD, lógico.. Chris Martin é definitivamente canditado a substituto do Bono Vox como o "messias" da música pop.. aliás, achei interessante a comparação que a Rolling Stones tupiniquim fez entre o Coldplay e o U2 no último número da revista.. a forma como eles se espelham na banda do Bono é constrangedora mas deixa claro que as bandas ocupam um lugar semelhante no rol das grandes bandas de música pop (isso é fato);
- o setlist:
Square One (boa, mas a música virou cobaia pra mesa de som ajustar a equalização da aparelhagem)
Politik (aqui o show começou pra valer, o som ficou pesado e faz vibrar as colunas do Funchal pela primeira vez)
Yellow (Chris Martin conquista a platéia, com direito a balões sendo jogados do mezzanino sobre os "fiéis"; vira "culto ecumênico")
God Put a Smile Upon Your Face (uma das minhas favoritas; não tem o que comentar, clássico)
Speed of Sound (Chris Martin parecia um astronauta (?) -com aquela dancinha- tentando se comunicar com a platéia)
Trouble (versão bem intimista, pra escutar "a dois"; agarrei uma amiga chegada e acompanhamos a música no mesmo "ritmo")
Sparks (não lembro bem dessa, lapso de memória)Daylight (outra das minhas favoritas, um mantra)
White Shadows (essa foi mediana, pelo que me lembre, manteve um ritmo mais morno)
The Scientist (o mesmo clima de "Trouble", reloaded)
Til Kingdom Come (aqui eles saem do palco e vão pra um canto da arena, do lado da platéia; versão acústica só no violão num estilo "caipirês" bem tosco em homenagem ao Johnny Cash)
Clocks (não sei o que comentar aqui, mas eu estava extasiado)
Talk (o hit; todo mundo canta, inclusive os "arroz de festa")
(saída pro bis)
Swallowed in the Sea (clima intimista denovo; nunca dei muita bola pra essa música mas gostei dela ao vivo)
In My Place (os "mauricinhos e patricinhas" da noite cantam de cabo a rabo; essa é a "Anna Julia" do Coldplay, com certeza)
Fix You (outra que todo mundo canta; destaque pro candelabro ou luminaria -fugiu o nome agora- pendurado no meio do palco que o "messias" Martin gira, gira, gira e joga em direção a platéia.. é a imagem definitiva do som da banda)
Shiver (essa foi bonus total, com direito ao Chris Martin xingando a platéia pela insistência do bis; uma das melhores músicas da banda, alguém discorda?)
- difícil localizar um "ponto alto" do show, foi tudo muito linear.. mas eu adorei.. eu sei que tem muita gente aqui na lista que torce o nariz pra banda, mas os caras são merecidamente uma das maiores bandas da atualidade.. até porque, eu pelo menos, sinto muita falta de uma certa megalomania e pretensão descarada no rock atual.. coisa que Chris Martin e cia ltda. têm de sobra.. hoje em dia tudo anda muito blasè e "afetadinho".. enche o saco. (rs)
Pontos baixos:
- o bar: lata de cerveja (R$5,00) + um saco de batatas fritas (R$6,00).
- o show sem telão (exigência da banda), mas nada que atrapalhasse o deleite visual do show; o desenho da casa ajudou muito nesse sentido, e justifica um pouco o preço do ingresso (das que eu conheço, parece ser a melhor casa de show de SP).

Um comentário:

Cristina disse...

Esse show foi realmente especial.
;] beijo!