terça-feira, 17 de julho de 2007

set the controls from your heart to the sun


Explosões no Sol influenciam enfartes

As tempestades magnéticas que afetam a Terra contribuem para o aumento do número de mortes causadas por enfarte, revelaram nesta quarta-feira (11) cientistas do Centro de Pesquisas do Espaço (IKI) e do Instituto de Ionosfera e Magnetismo Terrestre da Rússia (Izmiran).

"O principal alvo das tempestades magnéticas é o coração e o sistema cardiovascular, embora o efeito deste fenômeno natural no organismo humano seja muito amplo e nem sempre negativo", afirmou o especialista do IKI Yuri Zaitsev à agência "Interfax".

Ele disse que o organismo humano, em maior ou em menor medida, é sensível aos campos magnéticos e que a saúde de muitas pessoas com determinadas doenças crônicas ou de idade avançada sofre pioras quando as tempestades magnéticas afetam a Terra.

Em conseqüência das explosões que ocorrem na coroa solar, as tempestades magnéticas se manifestam como potentes e intensos fluxos de partículas ionizadas que alcançam o planeta.

Em condições normais, esse fluxo passa despercebido. Mas quando a intensidade é muito alta, ele altera o campo magnético terrestre, com efeitos nos organismos vivos.

Na maioria dos casos, as tempestades magnéticas afetam o ritmo cardíaco, a circulação do sangue -- principalmente nos vasos capilares --, altera a pressão arterial e modifica o nível de adrenalina.

Segundo Zaitsev, os cientistas russos estabeleceram que os efeitos nocivos para o organismo humano têm relação com as chamadas micropulsações do campo geomagnético, sobretudo quando sua freqüência coincide ou se aproxima da freqüência das batidas do coração.

As micropulsações são registradas em 50% das tempestades magnéticas e, na maioria dos casos, na fase preliminar, quando o campo geomagnético ainda não está muito alterado.

Zaitsev explicou que, afetado pelos campos magnéticos de freqüências baixas, o ritmo cardíaco das pessoas que apresentam doenças no coração se desestabiliza e, em conseqüência, há um aumento no risco de haver enfarte ou morte súbita por arritmia.

Observações feitas em Moscou durante tempestades magnéticas com micropulsações registraram aumentos de até 13% no número médio de enfartes do miocárdio e 7,5% nos casos de derrame cerebral.

"Pode ser uma pista para explicar por que as mortes por motivos cardíacos ou circulatórios aumentam na véspera de tempestades magnéticas", afirmou Zaitsev. Ele disse ainda que, atualmente, há recursos técnicos para minimizar o risco das tempestades magnéticas, como o envio de satélites para controlar as mudanças do fluxo solar e as alterações que estas possam produzir no campo magnético terrestre.

"Trata-se de criar um sistema de alarme antecipado sobre as emanações solares e seus efeitos na Terra, que são muito amplos", afirmou. De acordo com ele, além dos efeitos nos seres humanos, as tempestades magnéticas provocam auroras boreais, prejudicam transmissões de rádio e afetam o funcionamento de satélites, redes elétricas, sistemas de navegação, oleodutos e o transporte ferroviário.
(Fonte: Portal G1 - 16/07/2007 - Ambiente Brasil)

Achei muito interessante essa notícia. Lembrei de um comentário que eu fiz uma vez brincando que as ondas solares (na época notícia porque estavam afetando violentamente os satélites) eram a grande causa das minhas eventuais e potentes dores de cabeça. Pois aí está a prova.

Brincadeiras à parte, esses estudos científicos sem querer acabam botando o dedo na ferida e demonstrando empiricamente aquela velha indagação metafísica de que no fundo, bem lá no fundo, tudo está realmente interligado, e que somos "migalhas" de algo muito maior que nossos pobres cerebelos não têm capacidade de conhecer. Eu diria, ainda bem.

img: http://www.geo.mtu.edu

2 comentários:

Cristina disse...

Eu lembro dessa história das dores de cabeça... rs
Acho que faz sentido, a mesma coisa da influência das fases da lua, por exemplo.
beijo!

João disse...

Tal matéria já foi alvo de reportagem da revista Scientific American, exemplar nº 23 de Abril de 2004, que confirma na íntegra a veracidade do assunto abordado.