sábado, 18 de agosto de 2007

meus vizinhos são um terror

Nunca tive problema com meus vizinhos, mas alguns deles conseguem ser bem escrotos. Em uma análise generalista, poderíamos dizer que minha vizinhança é bem eclética. Esse "ecumenismo condominial" traz muitos aspectos positivos, por outro lado, acarreta em certas situações dignas daqueles clássicos filmes que passam na "sessão da tarde".

Dormi muito mal na noite retrasada. Não seria algo tão ruim se não fosse pelo fato de ter acordado as 6:40h da manhã com alguém esmurrando uma porta. Fiquei assustado, com a primeira hipótese de estarem tentando arrombar a porta do meu apê. Porém, logo percebi que se tratava do meu vizinho lateral, ou melhor, minha vizinha.

Tentei voltar a dormir, mas ela batia cada vez mais forte na porta, ao mesmo tempo em que desesperadamente forçava uma chave na fechadura. Resolvi levantar e ir ao banheiro (cuja janela é vísivel da porta do meu vizinho), até porque estava apertado. Seguia lavando o rosto quando escuto uma voz vindo da janela:

V:"Ei Moço!"
A:"Sim? Quem é?"
V:"Desculpa, antes de começar o seu banho (?) será que você poderia interfonar lá embaixo pedindo pra chamarem no apartamento aqui do lado?"
A:"Aconteceu algo?"
V:"É que esqueci minhas chaves e não consigo entrar.."

(pausa para ´deglutir´ o pedido)

A:"OK, espera só um pouquinho.."

(interfonando na portaria)

A:"pronto, já estão chamando"
V:"obrigada."

Voltei meio zonzo ainda pra debaixo do edredon. A joça do interfone tocava lá dentro do apartamento (deu pra escutar da minha cama) e ninguém atendia. E aquele ser lá fora continuava tentando derrubar a porta na mão. O pior, ela não falava nada, não chamava ninguém. Isso porque tinha alguém dentro do apartamento (eu ouvia ruídos). Foram mais uns 5 minutos nessa babaquice (e eu já a ponto de bala pra sair lá fora e tirar satisfação) quando baixou um silêncio mortal. Cessou o interfone, as batidas, mas a porta não se abriu. E eu lá olhando pro teto tentando entender alguma coisa.

Depois disso não consegui dormir mais, só fui voltar a pegar um pouco no sono já era umas 8h da matina.


É difícil, mas prefiro ficar com aquela máxima: vizinhos a gente não entende, aceita que eles existem e pronto.

4 comentários:

Bruna_ disse...

where are u when i need to talk with?
snif.

Carol disse...

Eu tenho uma vizinha "égua" no andar de cima (ela tem uma ferradura grudada no pé e fica desfilando às 3hs da matina pra lá e pra cá me enlouquecendo) e um recém-nascido no andar de baixo... pode??? Eu já fiz a opção de não ter filhos pra não aguentar choradeira às 4h da matina e ainda tenho que aguentar bebê dos outros?!
Afffffff...
EU QUERO UMA CASA!!!!!!!!!!!!!!!

Aline-NC disse...

Mesmo que o seu prédio tivesse 1534 andares, ela mesma não poderia ter descido e pedido para interfonar? Ou ter tomado uma atitude "x" qualquer que incomodasse o menos possível? Claro que não!
Um dia escrevo sobre "A folga do ser humano".

Cristina disse...

Vizinhos... pelo menos rendem altas histórias :/