terça-feira, 11 de dezembro de 2007

as filhas da mãe

Eu fiz um cálculo rápido (por baixo). Em qualquer saída despretensiosa que eu fazia pela rua, com intuito de gastar dinheiro (ou não), eu voltava pra casa em média com duas sacolas plásticas na mão (isso sem contar as eventuais idas ao supermercado - quase diárias hoje em dia pra qualquer ser humano urbano normal - onde poderíamos facilmente triplicar esse número). Bom, jogando essa média pro lapso temporal de uma semana, cheguei a 10 "mocinhas". No mês, 40 sacolas plásticas enfiadas embaixo da pia da cozinha. Fiquei assustado com o resultado.

Não vejo isso como questão de bom mocismo, ser politicamente correto, ou qualquer tagarelice do tipo. Pra mim é bom senso. A medida que vou me interessando e estudando cada vez mais as ditas questões ambientais, fico mais convencido disso (já falei sobre: aqui).

(chegando do mercado: antes era assim..)

Confesso que achei que fosse ser mais fácil, mas mudar um simples costume do dia-dia requer disciplina (em doses cavalares) e uma boa memória. Pra trocar esses pequenos estorvos derivados do petróleo por uma singela sacola de pano é preciso antes de tudo lembrar que a última existe. Bom, tratei de providenciar que ela ficasse num lugar bem visível, ou seja, perto da porta de saída do apê. Mesmo assim, depois de dois meses, volta e meia esqueço de levar a "rapariga" verde comigo no supermercado.


De qualquer maneira, já estou me acostumando, e sentindo a diferença. A quantidade de sacolas plásticas estocadas diminuiu drasticamente (apesar da reserva ainda gigantesca; meu primo - antigo morador do "cafofo" - caprichou no trabalho de estocagem) e as caixas do mercado já não me olham com aquela cara de espanto quando solto um: "não precisa de sacolas não, eu tenho a minha aqui..".


(agora é assim..)

É lógico que não dá pra abolir totalmente o uso das sacolas plásticas, até porque surge um outro problema: onde guardar o lixo. Questão que dá mais "pano pra manga", e uma bela postagem à parte. Mas enfim, já é um começo no intuito de mudar os costumes e a nossa mentalidade consumidora "plástica" contemporânea.


Pra descolar sacolas de pano "engajadas"*:

- Pão de Açucar (boa parte das lojas da rede vendem as ditas cujas, em parceria com a SOS Mata Atlântica - foi num dos mercados deles que eu comprei a minha);

- a ong Instituto Socioambiental vende uma "ecobag", dá pra comprar no site: aqui (o problema é o preço, bem salgadinho).

* parte do dinheiro obtido com a venda das sacolas é repassado às respectivas ongs.

Só pra constar, uma iniciativa muito boa da prefeitura de São Paulo: campanha "eu não sou de plástico".

3 comentários:

Lucie disse...

Ms se vc vai fazer uma comprona daquelas, vai precisar de umas 10 sacolas de pano dessas... é que aqui em casa a gene faz aquelas compras de mês.

Cristina disse...

Sacola de pano é uma boa idéia, além de ser mais "cool" rs. Mas eu ainda acho que as de plástico são boas pra aproveitar pra alguma outra coisa depois, principalmente pra colocar o lixo...
beijo!

Aline-NC disse...

Também discutimos o dilema do lixo aqui em casa... por enquanto o que dá pra fazer é trazer menos sacolinhas de plástico. Até porque elas estão cada dia mais frágeis, vc carrega um pote de margarina e ela já ameaça arrebentar!
Indo pela linha "engajada", eu parei de usar copinhos plásticos para tomar café no trabalho, uso a minha caneca ;)