terça-feira, 5 de fevereiro de 2008

bloco de notas (7)

Eu não pretendo passar o resto da minha vida em São Paulo, mas também, se possível, quero ficar um bom tempo por aqui ainda. Digo isso porque é uma das poucas cidades brasileiras (se não for a única) e do mundo onde você pode se sentar em um bar com alguns amigos pra tomar um chopp e de repente ser abordado por um consultor de marketing olfativo franco-tunisiano (?) com dificuldades pra mexer no seu celular (e pra falar português). Papo vai papo vem e o sujeito discorre (num inglês sofrível) sobre o ofício de "fabricar aromas" para ambientes comerciais com a específica e "nobre" finalidade de induzir as pessoas a gastar mais (dinheiro). Ele logo apressa-se em informar que essa não é uma atividade muito comum em terras tupiniquins, e que ele está aqui pra isso (desbravar a selva). Saí desse bate-papo com duas boas assertivas: executivos franco-tunisianos são pessoas simpáticas, e a Avenida Paulista continua um lugar surpreendente e a "cara" de São Paulo.

* pra quem tiver maior interesse, a empresa do nosso amigo: http://www.h2r.com.br


***
Consegui me livrar da atividade não lá muito agradável (pra quem não tem carro) de levar roupas sujas na lavanderia. Descolei (em parceria) um "tanquinho". Não preciso mais me "ensardinhar" no busão com uma mala a cada quinze dias pra ter minhas roupas limpas. Por outro lado, eu me tornei uma "centrifugadora humana", pois, como é sabido, esse citado eletrodoméstico "dispensa" essa tarefa das suas atribuições. Junto com isso descobri que torcer roupas é uma arte. Em especial as calças jeans. Nem muito nem pouco, existe um ponto certo de "torcimento" (ainda totalmente desconhecido pra mim). Outra coisa, pra quem não possui um eletrodoméstico "descolado" (e ecologicamente dispensável) chamado secadora de roupas e mora num apartamento minúsculo, o ato de secar roupas também é uma nobre arte. E que não depende só de você, mas também de "desígnios divinos" (vide São Pedro) pra dar certo. Sem sol, ar seco é algo fundamental, sem ar seco, as roupas ficam "intragáveis". Bom, eu ainda chego lá.

4 comentários:

Cristina disse...

Eu não sabia que existia marketing olfativo, só sei que agora eu fico tentando identificar os aromas dos lugares onde entro rs.
Sinto falta do sol de Tatooine secando as roupas no varal em 2 horas :/

Carrie Bradshaw Tupiniquim da Silva disse...

esse do marketing olfativo me surpreendeu
beijo!

Carrie Bradshaw Tupiniquim da Silva disse...

esse do marketing olfativo me surpreendeu
beijo!

lucie disse...

Vc descreveu perfeitamente aquela situação pré-show cover do Oasis com o franco-tunisiano. Fez até eu voltar àquele dia na minha cabeça.