terça-feira, 12 de fevereiro de 2008

Curriculum Escrotae (participação especial: Nelson Ned)

Hoje estou aqui pra reclamar, não tem jeito. No total, tenho 10 modelos diferentes de currículos, digamos, ativos salvos no meu computador. Se as chances de conseguir emprego fossem proporcionais a essa criatividade no modo de exibir minhas qualidades profissionais aos "headhunters" tupiniquins, eu estava feito.

Estive numa situação semelhante dois anos atrás. Apesar de alguns "lapsos" de desânimo, sempre mantive aquela verve de instinto de sobrevivência que, uma vez inserido no mundo adulto, você descobre que tem e que precisa cultivá-la. Lembro até da minha descida "maluquete" à pé por todo a Avenida Paulista distribuindo currículos porta a porta dos arranha-céus locais (santa inocência).

Esse início de ano parece que está sendo bem "morno", economicamente falando, em terras brazucas. Ainda é cedo pra dizer, mas tudo indica que a "porra-louquice" consumista recente (e costumeira) dos "yankees" esfriou as coisas por aqui (antiglobalização mode on: motherfuckers!).

Bom, como também pude constatar em tempos passados, quando menos se espera as coisas viram de ponta cabeça e você está com um crachá no peito, nem que seja pra tomar chibatada no tronco todo dia (e o dia inteiro). Em face do nosso quadro sócio-econômico nacional (e global), poderíamos chamar (e muitos chamam) isso de sorte (?!).

Mas enfim, como já disse aquele velho sábio lá naquela cabaninha lá no alto daquela montanha, ou, se você preferir, aquele cantor anão que já me deixou traumatizado uma vez:



Um dia eu ainda vou tomar um porre num boteco da Augusta ao som dessa música.

3 comentários:

Lucie disse...

Ah, eu sei bem como é isso. Estou numa corda bamba agora, sem saber o que vai acontecer. Cansei de me preocupar demais, foi assim minha vida toda. Agora quero descansar a cabeça e cantar que nem o Zeca Pagodinho: "Deixa a vida me levar, vida leva eu".
Obs.: No trabalho não consigo abrir videos...

Cristina disse...

Espero que as coisas melhorem. Quero dizer, já parece que vão começar a melhorar. Pra nós todos.

Aline-NC disse...

Não desanime!! O poeta já disse, "tudo passa"!
Eu tive a chamada "sorte" de estar na mesma empresa desde os 17 anos e de escolher uma profissão com certa fartura de empregos...
Acho que sorte mesmo é fazer o que gosta e receber por isso. Ainda não estou certa se a minha sorte é com aspas ou sem aspas...