sexta-feira, 20 de junho de 2008

o vermelho e a mudança


Na política, essas duas palavras costumam andar juntas. Pelo menos até o vermelho se tornar "vidraça". Pois elas ultimamente andam juntinhas por aqui também, na minha vida pessoal. Mais precisamente num dos quartos aqui da minha futura ex-casa nova (deu pra entender?).
Estou escrevendo esta postagem quebradaço, com uma baita dor nas costas. Já foram três "mãos" de pintura e a coisa ainda não nivelou. Mas até domingo eu resolvo isso. Vai ser um final-de-semana agitado, e ao mesmo tempo renovador.
Pois é, enquanto deixava girar o rolo de tinta cor de sangue na parede, vários pensamentos rolavam aqui dentro da minha cabeça. Alguns novidadeiros, outros relembrando e vasculhando três anos de muito aprendizado e, porque não, conquistas.
Com o tempo a gente descobre que ficar isolado na trincheira mais a frente, quase de cara com o inimigo, não é a melhor política. E que o importante mesmo é não ficar parado, seja caminhando em direção às fronteiras, ou recuando quando for preciso. Parece simples, mas não é. Quando você se dá conta, já deixou seu rifle de lado, derrubou o capacete, e cochilou com a mira do inimigo apontada pra sua cabeça.
Mas eu estou animado. Esse vermelho estará na cabeceira da minha cama por um certo tempo, lembrando do sangue que corre ali dentro. Não costumo acreditar em destino ou coisa do tipo, mas essas providenciais coincidências sempre me fazem confabular sobre aquela oculta e sinistra teia da vida que corre por trás do nosso dia-dia. E porque não, abrir um sorriso.

A pintura desse quarto não tinha relação alguma com a minha repentina mudança para o dito cujo (além da mudança de cidade).

sexta-feira, 13 de junho de 2008

"Afraid of the sun" (ou notas sobre o orgulho)

É um problema para pessoas egocêntricas. Administrar o próprio orgulho. Mas eu estou melhorando. Quando tudo parece desmoronar na sua frente, aquele velho sentimento raivoso começa a tomar corpo. A coisa fica tão grave que o mundo começa a girar a sua volta, literalmente.

interlocutor 1: Estou sentindo um pouco de tontura, e de vez enquando surge um zumbido leve no ouvido.
interlocutor 2: Deve ser estresse.

Não é a primeira vez que lido com isso, em outros tempos eu poderia serrar os olhos e sacar a espada. Hoje fico com a impressão do risco do suicídio.

interlocutor 2: É, não adianta a gente ficar dando murro em ponta de faca.

Escrevi na postagem anterior que bons ventos estão soprando na minha cabeça, e eles estão (não estou ficando louco - ainda), as janelas estão abertas. Assim como (dito lá) minha cabeleira continua cansada. Eu acho maravilhoso e ao mesmo tempo extremamente angustiante ter que lidar com essa contradição de sentimentos, observar como seu humor pode mudar radicalmente em alguns singelos dias.

interlocutor 1 (agora pensando com ele mesmo): Mas essa é a graça de ser racional e humano..

Mas enfim, agora eu fico com John Lennon. E, assim como ele, eu também quero bater com força nas teclas do piano:



People say we got it made
Don't they know we're so afraid?
Isolation
We're afraid to be alone
Everybody got to have a home
Isolation
Just a boy and a little girl
Trying to change the whole wide world
Isolation
The world is just a little town
Everybody trying to put us down
Isolation

I don't expect you to understand
After you've caused so much pain
But then again, you're not to blame
You're just a human, a victim of the insane

We're afraid of everyone
Afraid of the sun
Isolation
The sun will never disappear
But the world may not have many years
Isolation

(John Lennon - "Isolation")

Pra quebrar mesmo, se for o caso.

domingo, 8 de junho de 2008

"Lyla" (para a série "empty spaces musas")


Callin' all the stars to fall
And catch the silver sunlight in your hands
Come for me and set me free
Lift me up and take me where I stand

She believes in everything
In everyone and you and yours and mine
I waited for a thousand years
For you to come and blow me out my mind

Hey Lyla!
The stars about to fall
So what you say Lyla!
The world around us makes me feel so
Small Lyla!
If you can't hear me call then I can't
Say Lyla!
Heaven help you catch me if I fall

She's the queen of all I've seen
And every song and city far and near
Heaven-hell my mademoiselle
She ring the bell for all the world to hear

Hey Lyla!
The stars about to fall
So what you say Lyla!
The world around us makes me feel so
Small Lyla!
If you can't hear me call then I can't
Say Lyla!
Heaven help you catch me if I fall

Hey Lyla!
The stars about to fall
So what you say Lyla!
The world around us makes me feel so
Small Lyla!
If you can hear me call then i can't
Say Lyla!
Heaven help you catch me when I fall

Hey Lyla!


("Lyla" - Noel Gallagher)

Sim, é ela. E porque eu ando escutando muito Oasis ultimamente. Um ótimo sinal aliás: bons ventos soprando com força na minha cabeleira cansada.

green days

Bom, essa semana que passou foi a convencionada "Semana do Meio Ambiente". Aqueles dias que a nossa hipocrisia reserva para visitarmos nossa consciência política. Eu, como tenho especial interesse pelo tema, passeio com maior intensidade e freqüência por ali, mas não é todo mundo que tem essa iniciativa. Nesse sentido, reservar alguns dias pra um mea culpa tem a sua valia.
Ver o assunto pipocar pela TV, Internet, algumas rodas de conversa é algo alentador. De qualquer maneira, é um momento excepcional. Pra 98% da população, discutir e se interar politicamente sobre as condicionantes do próprio meio em que se vive ainda é coisa pra gente chata, assexuada, e que se acha mais séria e esclarecida que o resto da humanidade.
Pois bem, vou ajudar com a minha contribuição pra um pouco mais de chatice:

1) Bem interessante essa iniciativa, uma espécie de banco de dados com informações sobre a cadeia de processo de desenvolvimento de produtos e serviços de uma forma geral. Desde pneus pra carro até aquele pedaço de alcatra que você compra no mercado, tudo relatado e catalogado para que o consumidor tome maior ciência do que anda adquirindo:

http://www.catalogosustentavel.com.br

Nota: o site parece que está ainda num estágio meio "beta", com informações incompletas e muito confuso. Mas só pela iniciativa eu já tiro o chapéu pro pessoal da Fundação Getúlio Vargas. Conforme eles forem aperfeiçoando o catálogo teremos uma arma violentíssima pra melhorar nossas relações de consumo.

2) E pra quem tiver interesse em conversar um pouco mais sobre essas coisas escrotas onde se fala muito sobre florestas, plantas, animais, águas, combustíveis, poluição, e acima de tudo pessoas, agregue-se aos Curupiras, participando da nossa proto-associação, ou apenas dando uma espiada:

http://procurupira.blogspot.com

E opine sobre uma discussão bem atual e interessante que jogamos na roda ("jabá" particular):

"Scuppie" e o consumo consciente

Aviso: não, nós não somos uma ong de contadores de histórias do folclore brasileiro, somos sim um pequeno bando de primatas vivos que está olhando com especial atenção para a viabilidade do próprio umbigo, e o do próximo também.

quarta-feira, 4 de junho de 2008

No olho do furacão

“Eu não vou deixar a Apple lançar um iPod novo e melhor um dia depois de você comprar o modelo antigo”
Barack Obama, entre as dez promessas da sua campanha para a presidência dos EUA no Late Show com David Letterman.

Sem mais delongas, agora é Obama na cabeça.

img: http://www.washingtonpost.com
txt: retirado de "Chá quente"