terça-feira, 29 de julho de 2008

da importância geopolítica da vaca (ou coisa parecida)

Nós não costumamos dar muita bola pra esse bovino, mas é notável a importância dele pro equilíbrio do nosso meio ambiente em escala mundial. Eu particularmente gosto de vacas, daquele olhar blasè e desinteressado de quem parece que mesmo inconscientemente (ou não) sabe da sua importância para nós humanos. Ruminando capim e abanando as charmosas orelhas, elas sempre despejam um belo "fuck off" quando buscamos um "diálogo" mais profundo. Eu volta e meia, quando posso, parto pra um bate-papo (até registrei aqui: She Came in Through the Bathroom Window).
A macacada ponta-de-lança lá da gringolândia está se dando conta do "cow power", olha só:

EUA querem atender 3% do consumo energético do país com cocô de vaca

Um grupo de americanos quer usar uma fonte de energia diferente para lutar contra o aquecimento global no país: cocô de vaca. É, você leu direito e não, não é brincadeira. Cientistas querem usar os dejetos do gado para levar eletricidade para até 3% de toda a América do Norte.

A tecnologia não é nova. O uso do estrume para geração de energia é comum em pequeníssima escala. Já é usado aqui no Brasil em comunidades rurais mais isoladas, onde a rede de energia elétrica não alcança. A novidade é que os pesquisadores americanos acreditam que essa técnica pode servir para energizar milhões de lares americanos.

O estrume gera dois gases com grande potencial energético: o óxido nitroso e o metano. O interessante é que esses dois gases também são poderosos vilões do aquecimento global. O óxido nitroso é 310 vezes mais poderoso que o dióxido de carbono; o metano, 21 vezes mais.

A equipe da Universidade do Texas comparou duas alternativas. A primeira era a continuação de tudo como está hoje: o estrume sendo deixado para se decompor naturalmente e a energia sendo obtida principalmente da queima de carvão. A segunda era uma nova alternativa: o uso do estrume para a geração de biogás e energia.

Segundo as contas dos cientistas, 100 bilhões de quilowatts/hora poderiam ser gerados com o número atual de gado que os Estados Unidos possuem. O bônus? Tirar de circulação o metano e o óxido nitroso e reduzir em 4% a emissão de gases do efeito estufa do país.

“A eletricidade gerada seria usada mais em áreas rurais, não em cidades”, explicou ao G1 o autor do estudo, Michael Webber. “A melhor maneira de expandir essa tecnologia é incentivar grandes fazendas a lidar com o estrume de maneira a ser convertido em biogás”, explica.

De acordo com Webber, a geração de energia dessa forma pode até resultar em uma nova fonte de renda para os pecuaristas. “Eles podem vender o biogás ou a eletricidade gerada”, diz ele. E economizar o dinheiro gasto para se livrar do estrume.

Os resultados foram apresentados nesta semana na revista especializada “Environmental Research Letters”. (Fonte: Marília Juste/ G1)

fonte: Ambiente Brasil

Só no Brasil são mais de 140 milhões de cabeças de gado pastando sertão afora. Já imaginaram o potencial energético disso? Só falta um pouco de vontade política pros macacos locais.

ADENDO: UM ALERTA

"O estrume gera dois gases com grande potencial energético: o óxido nitroso e o metano." (...) "O óxido nitroso é 310 vezes mais poderoso que o dióxido de carbono; o metano, 21 vezes mais."

Isto é, com uma ação coordenada de flatulência global, as vacas podem eliminar a espécie humana do planeta. E você ainda duvida da supremacia bovina? Cuidado.

3 comentários:

Cristina disse...

"Ação coordenada de flatulência global" foi ótimo :p
E as pessoas que reclamam que o mundo tá "uma merda" vão ter que repensar seus conceitos; a solução dos problemas pode vir justamente daí, olha que ironia rs.

Aline-NC disse...

Vaquinhas são fofas.
Adoro estas idéias de reaproveitamento, de dar um sentido a existência de tudo. Até do cocô de vaca!

Garota no hall disse...

Por isso eu não como mais vaquinhas... hahaha. Como pode descrever o olhar delas de forma tão bonita e ainda comê-las?