domingo, 2 de novembro de 2008

é o começo do fim?

Essa semana que passou a ong WWF divulgou o seu Índice Planeta Vivo. Algo como um relatório sobre o "estado do mundo" ecológico. Vejamos:

(vou cobrar royaties por essa capa de relatório.. :P )

"Nossa pegada ecológica global excede, hoje, em cerca de 30% a capacidade de regeneração do mundo. Se nossa demanda continuar nesse mesmo ritmo, em meados de 2030 precisaremos de dois planetas para manter nosso estilo de vida. O relatório deste ano registrou, pela primeira vez, o impacto de nosso consumo sobre os recursos hídricos do planeta e nossa vulnerabilidade à escassez de água em muitas regiões."

(...)

"As emissões de carbono ocasionadas pelo uso de combustíveis fósseis e as mudanças no uso do solo constituem o maior componente da Pegada da humanidade, o que realça a principal ameaça ao nosso planeta: as mudanças climáticas. Pegada Ecológica é a área necessária para produzir os recursos que utilizamos e para absorver as emissões de carbono, expressa em hectares (média) de terra ou mar produtivo no mundo. A análise geral feita pela GFN da Pegada Ecológica mostra que a área necessária chegou a 2,7 hectares globais por pessoa. A área disponível hoje, per capita, é de 2,1 ha."

(...)

"As cinco maiores Pegadas per capita nacionais são dos Emirados Árabes, Estados Unidos, Kuwait, Dinamarca e Austrália. As cinco menores pertencem a Maláui (país no leste da África), Afeganistão, Haiti, Congo e Bangladesh."

(...)

"Oito países – Estados Unidos, Brasil, Rússia, China, Índia, Canadá, Argentina e Austrália – possuem mais do que a metade do total da biocapacidade mundial."

(...)

"O desmoronamento do crédito ecológico é um desafio mundial. O relatório Planeta Vivo 2008 nos diz que mais de 75% da população mundial vive em nações que são devedoras ecológicas, pois seu nível de consumo nacional superou a biocapacidade do país. Assim sendo, a maioria dessas nações está sustentando seu atual estilo de vida e crescimento econômico por meio da retirada cada vez maior do capital ecológico de outras partes do mundo."

(...)

"Os EUA e a China possuem as maiores pegadas nacionais, cada um totalizando cerca de 21% da biocapacidade global. Mas cada um dos cidadãos dos Estados Unidos demanda uma média de 9,4 ha (ou quase 4,5 planetas se a população mundial tivesse os mesmos padrões de consumo deles), enquanto os cidadãos da China usam uma média de 2,1 ha do mundo por pessoa (um planeta)."

(...)

"Passaram-se quase quatro décadas desde que os astronautas da Apollo 8 fotografaram o famoso “Nascer da Terra”, que constituiu a primeira imagem do Planeta Terra. Nas duas gerações que se seguiram, o mundo passou de uma situação de crédito ecológico para déficit ecológico."

(...)

"A espécie humana possui um histórico notável de engenhosidade e solução de problemas. Agora, o mesmo espírito que levou o homem à lua deve ser empregado para livrar as gerações futuras de um colapso ambiental."

Versão na íntegra do relatório em inglês: Living Planet Report 2008.

Pois bem, não vou chover no molhado mais uma vez. Só acho que o "gerações futuras" da última frase está meio defasado. No andar da carroagem, é bem provável que eu, você, nós amiguinhos consigamos ver ainda com nossos próprios olhos o circo pegar fogo.
Eu tento mas não consigo ser tão otimista como o pessoal da WWF consegue ser, confiando no "histórico notável de engenhosidade e solução de problemas" da humanidade. Esse dias mesmo estava navegando pelo blog do Marcelo Leite quando me deparei com a engenhoca Gapminder. Uma espécie de simulador animado de estatísticas gráficas as mais variadas e interessantes, com um arco gigantesco de possibilidades combinatórias. Fui lá brincar e criei a minha, uma linha do tempo do crescimento populacional mundial X emissões de CO2 em todo o planeta:

(clique aqui; depois de aberto o link, aperte o "play")

Dando uma olhadela nesse gráfico não tem como não ser pessimista. Por mais que busquemos o equilíbrio de sustentabilidade da nossa existência no planeta (o que é nossa obrigação moral, existencial e o escambau), a bomba está armada. É fisicamente impossível. Ou assistiremos a uma hecatombe social sem precedentes nos próximos 50 anos que leve a humanidade a um patamar populacional viável pra sobrevida da espécie, ou é o fim.

5 comentários:

Sunflower disse...

*coff* AMANTE DE PICANHA *coff*

beijas

Aline-NC disse...

Enquanto comento aqui, está passando aquele comercial da Ford tocando "So Happy Together", com os funcionários produzindo o novo Focus. Um carro para quem gosta de carro.
Um mundo regido pelo consumo, vai ser consumido mesmo. O planeta vai ficar, nós é que vamos embora. O problema é que ninguém entende assim.
Talvez presenciemos esta "hecatombe social" salvadora, relembrando a zona que era no começo dos anos 00...

Cristina disse...

Não tem nenhuma notícia boa sobre o ambiente, não? fiquei deprimida agora :/

Cecilia disse...

Cara, já cansei de ficar otimista quanto a isso. Posso ser um mau exemplo de humano, mas francamente, que adianta? Faço minha parte, porém, não há tanto o que fazer. Infelizmente.

(quanto ao seu comentário, sim, professores loucos de Letras mandam e-mails desse naipe. Pelo menos essa criatura sim. DR docente way of life.)

Garota no hall disse...

A tendência é piorar. Bom, eu faço a minha parte como posso e uso o mesmo aparelho celular há 2,5 anos :-P