sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Off With Their Heads



Notei que esse álbum novo do Kaiser Chiefs não foi muito comentado pela blogosfera, nem reverberado pela crítica, mas é muito bom. Aliás, o melhor da carreira da banda até agora.

Ao contrário dos outros dois, que são mais irregulares, com grandes hits e outros petardos bem mais fracos, esse é bem linear. Não que seja um disco cheio de "canções-hino", muito menos que se trate de um trabalho fora de série, mas está entre os melhores álbuns lançados em 2008, sem dúvida.

Desde que despontou no cenário da música pop, o Kaiser Chiefs sempre levou a pencha de ser um "chupinhador" do estilo do Blur. Até certo ponto eu concordo. Só não vejo ali uma cópia descarada da clássica banda de britpop como muitos argumentam. Muito pelo contrário. Se formos levar em conta a origem, o KC está muito mais próximo do Oasis, algo mais "workclass", do que o estilo londrino descolado cosmopolita do Blur.

Eventuais "chupinhadas" à parte, o som deles possui originalidade. Um estilo Kaiser Chiefs de ser, uma identidade sonora. Negar isso é babaquice. E é isso que dá vida às grandes bandas. E com esse terceiro disco eles demostraram, dentro do esquema-filosofia indie, que não fazem parte do 2º escalão sonoro.

O interessante é que o disco foi gravado meio às pressas, com canções que surgiram no meio do período de excursões do trabalho anterior (Yours Truly, Angry Mob - 2007). Apesar disso, o álbum não soa "ansioso". Pelo contrário, tudo ficou bem coeso.

Musicalmente, não traz grandes melodias, mas lapida ainda mais o estilo Kaiser Chiefs de ser: canções leves, extremamente despretensiosas, urbanas, jovens, com letras deliciosamente "bêbadas" como: "Like a tomato in the rain, I've got that feeling again...". E por aí vai.

Na ponta-de-lança eu colocaria faixas como "Never Miss a Beat", "Good Days Bad Days", e "Always Happens Like That". Essa última contando com uma participação especial da musa-cool (pelo menos desse espaço) Lily Allen.

Como já disse, não é um disco de hits memoráveis, é algo pra se tocar do começo ao fim (sem interrupções) num daqueles fins de noite em que você se acha a última bolacha do pacote do universo, de preferência com uma cerveja na mão. Nada além disso, pura diversão.

5 comentários:

Sunflower disse...

vc sabe que com a parafernália apropriada eu pago de Lilly Allen cover.

Cristina disse...

Esse disco é bem legal mesmo e tbém acho que tenha essa cara de festa e diversão. Ou pra ouvir no mp3 andando na rua, num "shinny happy people" way of live.

Garota no hall disse...

O único deles que ouvi inteiro foi o primeiro. Por isso não achei justo pagar só para vê-los no Terra e não me arrisquei.

Aline-NC disse...

Eu quase "larguei tudo" (não havia nada para largar, vai...) só para vê-los ao vivo cantando "Love is not a competition, but I'm winning". Vou ouvir este CD novo e decidir se, da próxima vez, eu "largo tudo" e vou. :)

fabiana disse...

Eu gosto bastante do Kaiser Chiefs, mas ainda não ouvi o disco! E olha, Lily Allen é lixo atômico, eca!