sábado, 25 de abril de 2009

Lugo, o garanhão, e a "relatividade" da moral católica

Confesso que não sou um super admirador das colunas da Barbara Gancia, mas nesta sexta ela acertou em cheio ao comentar o caso do ex-clérigo e presidente do Paraguai Fernando Lugo e sua polêmica prole; segue trecho:

...dom Orani Tempesta, um dos porta-vozes da CNBB, emitiu a seguinte opinião sobre o caso: "Cada pessoa responde à fidelidade ou à infidelidade daquilo que promete. Acho que não cabe à igreja julgar ninguém, mas a cada um de nós, vendo as coisas, dizer se está sendo fiel àquilo com que se comprometeu". Êpa, ôpa! Sinto aí um certo corporativismo em defesa do ex-colega. Se entendi direito, o bispo que virou presidente pode errar e se arrepender e não caberá a ninguém julgá-lo. Mas, quando os africanos decidem ser fiéis à ideia de usar preservativos para se defenderem de doenças sexualmente transmissíveis, aí a danação do inferno cai sobre eles. Ou, quando a mãe de uma menina estuprada pelo padrasto decide que a filha deve abortar, ela corre o risco de ser excomungada. E, quando os gays... Bem, deixa para lá, não é preciso ser teólogo para entender que existe tratamento VIP para uns e cadeira na geral do inferno para os menos privilegiados.

(FSP, 24/04/2009, Barbara Gancia: Igreja pega leve com Lugo - íntegra)

Assino embaixo. Eu como sujeito agnóstico e cético que sou tenho uma baita dificuldade pra digerir coisas como essa. Ver e escutar a Igreja Católica "formar opinião" hoje em dia me deixa triste. Pior é constatar que a coisa chega a beirar as vias da irresponsabilidade, como no caso da AIDS subsaariana.

Deixo a palavra com os eventuais leitores católicos "praticantes" desse espaço lá na página de comentários. Preciso de argumentos contrários interessantes, porque pra mim esse anacronismo tosco já passou de qualquer limite de razoabilidade.

Postagem que chove no molhado, mas vamos lá.

2 comentários:

Aline-NC disse...

Tenho uma teoria : acho que Deus está mandando uns sinais pra Igreja se tocar e tentar evoluir, conciliar progresso e seus valores. E não está adiantando.
Se achar acima do bem e do mal não está em parte nenhuma da Bíblia. Humildade para assumir os erros e pedir perdão, isso está. Só que é mais difícil de fazer.

Menina Enciclopédia disse...

quer mesmo ouvir um católico fervoroso? rss
www.jornadacrista.org.br do matheus do abacaxi rss

qto ao seu texto, não sabia dessa "bondade" da igreja, isso pra mim chama-se hipocrisia...

beijo!