domingo, 5 de abril de 2009

terceira idade, licença para matar

Pode parecer exagero, mas não é não. Essa semana quase fui esmagado por um desses seres geriátricos femininos frequentadores do SESC. Lá estava eu, a ponto de bala pra pegar impulso e mandar ver em uma piscina de crawl, quando a "véia" (peso-pesado) surgiu do nada, saltou, e deu uma baita barrigada uns dois metros na minha frente, ecoando o estrondo por todo o ambiente. Por uma fração de segundo eu não estaria aqui hoje escrevendo esse texto. Provavelmente estaria em algum hospital campineiro de cama, paraplégico, ou dentro de alguma sepultura.

Antes de mais nada, quero deixar claro que não tenho nada contra as pessoas da dita "idade do saber". Só acho que algumas delas, quando reunidas em grupo (principalmente se for do sexo feminino), e em determinadas situações, parece que perdem o bom senso e regridem mentalmente.

As diferenças entre essas senhoras e as típicas adolescentes de 14, 15 anos de idade desaparecem. Elas pulam, gritam, fazem arruaça no vestiário, na piscina, arranjam encrenca com a turma do nado amador (nós), enfim, provocam uma verdadeira "luta de classes" entre os frequentadores do SESC. E pior, possuem o apoio da "superestrutura" local, isto é, a diretoria da organização. Afinal, elas pagam pelas suas aulas terapêuticas de hidroginástica, nós somos simples e mortais usuários avulsos da piscina.

Recentemente aliás houve um entrevero que resultou em reclamação direta com a diretoria por parte de alguns nadadores. Já passávamos das 11h da manhã, com 10 ou mais nadadores na piscina ou se preparando pra entrar (horário de pico da nossa "gangue"), quando uma "ordem de cima" determinou que seria reservada apenas uma raia da piscina para o pessoal do nado livre, sendo que o resto (praticamente 3/4 da piscina) ficaria disponível pra hidroginástica. Uma parte dos nadadores simplesmente desistiu e foi conversar com a "chefia". Tá certo que tinha mais de 40 mulheres-monstro na piscina, mas será que é tão difícil conciliar os horários? Afinal, essas senhoras adoram acordar junto com o galo, e os dirigentes poderiam muito bem alterar o horário delas pra algo mais perto das 7h, 8h da matina.

Depois desse chamusco parece que a coisa acalmou. Porém, ainda segue um clima tenso de "guerra fria" no ar. Troca de olhares, risadinhas marotas, volta e meia alguma delas solta um "míssil tático com fins pacíficos". Até eu já revidei com minha "artilharia anti-aérea" (a bola de borracha do joguinho delas caiu na nossa raia dia desses; e eu, no meio da piscina nadando, devolvi dando uma bolada - sem querer, frise-se - na cabeça de uma delas).

Curtir a vida no "bico do corvo" enquanto se espera aquela senhora com a foice na mão é mais do que um direito, é um dever. E acho sensacional instituições como o SESC que tiram essas senhoras e senhores do total marasmo e tédio e dão sentido a vidas muitas vezes já sem grandes propósitos e intenções. Tiro o chapéu, e sei que um dia (que parece que cada vez se aproxima mais rápido) eu também estarei lá.

Mas não nos esqueçamos que bom senso não tem idade nem sexo. Ainda mais quando temos uma "bagagem" de respeito sendo carregada nas costas. Tem gente que acha que a chegada da velhice implica em uma necessária, lenta e gradual regressão a um estado de infantilidade, eu discordo totalmente.

Tirando casos de degeneração por doenças, outras excepcionalidades, e as evidentes limitações físicas, isso é conversa pra boi dormir. A velhice é (e deve sempre ser) o momento de plenitude da mente e do cuidado acurado do corpo. Destaque-se: uma afirmativa aditiva, e não alternativa.

Não é senhoras?

3 comentários:

Aline-NC disse...

Você está sendo até otimista, acreditando que essas senhouras ficaram assim devido a idade, hehe.
Eu penso que elas já deveriam ser assim, talvez a idade só acentue a falta de noção, justamente pelo que você citou, a tal necessidade de curtir a vida adoidado antes de esticar as canelas. Ainda mais se algumas delas resolvem "recuperar o tempo perdido" (por isso eu trato de aproveitar bastante agora!)
Em tempo : tome cuidado com as véias ;)

Cecilia disse...

Morri de rir!

Mas realmente, tem umas que valei-me Deus. Principalmente no trânsito - pior, algumas invadiram minha faculdade. Chegar lá mais cedo para dar uma lida ou revisada na prova é pedir para perder a paciência. A velharada está descontrol fazendo arruaça pela cantina. Haja! Mas tudo bem, sei que um dia chegarei lá. Só espero que meu senso esteja bem controladinho. :P

Garota no hall disse...

Coitada da velha, levou um missil de borracha na cabeça. Admita que não foi de propósito, vai!