domingo, 30 de maio de 2010

do deslumbramento sincero e vital

(*)

Porque é preciso sonhar.
Porque eles nos pegam, e se concretizam.
Porque é assim que nos equilibramos sobre a onda mais alta.
Porque nós mudamos.
Porque volta-e-meia ajustamos os controles em direção ao sol.
Porque a razão para o que somos é mais simples do que imaginamos.
Porque nós somos um jardim, um parque.
Porque quebramos muros.
Porque escutamos os ecos dos nossos próprios medos.
Porque os espaços vazios são preenchidos.
Porque nos reconhecemos nos olhos de todos os desconhecidos.
Porque temos um bravo coração.
Porque o tempo é uma ficção da luz.
Porque a música rege o universo.
Porque nossa mente é um mistério.
Porque a empatia é mágica.
Porque um dia viramos pó.
Porque sempre viajamos através das galáxias.
Porque é preciso sonhar, mesmo que escondido de nós mesmos.

Texto meu publicado no longíquo 20 de julho de 2005 no fotolog de uma amiga, em face de um pedido da moça na busca de algo pra dizer no "Dia do Amigo". Eu nem me lembrava mais do dito cujo, mas ontem a doutora Kelly Esther trouxe, junto com a postagem, a memória de um tempo em que as possibilidades eram infinitas, o deslumbramento era sincero e vital, e o peito se enchia de ar com uma facilidade estrondosa.

(*) "...a linda foto da janela do apartamento dele numa tarde de chuva fina junto com pôr-do-sol, em Campinas-SP." (Kelly Esther)

2 comentários:

Kelly disse...

Lindo, lindo...

Cecilia disse...

Textos antigos têm esse efeito, né não?

Bela postagem, aliás! :)